Onde comer no Rio: comida honesta, preço justo, pra turista

Longe de mim dizer quais são os melhores restaurantes e bares e novidades no setor gastronômico do Rio de Janeiro. É que a minha situação era bem específica e pode também ser a sua, caso você esteja no Rio ou planeja ir. E, como eu consegui fazer boas escolhas, pensei, por que não compartilhar e ajudar outros turistas?

A situação era esta: Era maio deste ano e minha primeira vez no Rio de Janeiro. Eu tinha uma lista sem fim de coisas que eu queria conhecer. Ou seja, tempo e dinheiro eram preciosos – na real, para o turista, isso é sempre precioso. Então, perder tempo esperando um prato caro ficar pronto no restaurante não era uma opção. O objetivo era aproveitar ao máximo a cidade de uma forma econômica – pra que eu não tivesse que abrir mão de nenhuma experiência da minha lista – me alimentando bem pra aguentar o pique e de forma prática, ou seja, em lugares onde a comida já estivesse pronta, como em um buffet.

Ou seja, meus amigos, seguem aqui lugares em que eu fui feliz na escolha, com comida honesta, feita na hora, o clássico arroz e feijão e com preço justo, pra almoçar tanto na Lapa quanto na Urca. E ainda tem uma dica de café da manhã leve e também de um sanduíche maravilhoso pra jantar, ambos em Copacabana.

Vem comigo.

URCA GRILL (pelo Google, porque na comanda da foto ainda estava Estrela Grill)

  • Bar e restaurante com buffet.
  • Sirva tudo o que puder, uma vez, a R$ 19,00.
  • Rua Mal. Cantuária, 10, Urca.

Após uma manhã na Praia Vermelha e no Pão de Açúcar, perguntamos a um militar que passava onde poderíamos almoçar por ali e que não fosse tão absurdamente caro. Ele indicou o caminho das pedras com várias opções e acabamos por escolher este lugar ótimo. Embora eu já tivesse me servido dessa forma em outros restaurantes, eu não entendi de primeira a dinâmica da coisa e me servi como se fosse buffet livre e a atendende, mega atenciosa, veio e disse “você vai servir só isso por 19 reais?” Achei de uma atenção isso, gente. Muito querida.

O suco de laranja é deliciante e vem com um copo extra de gelo, sem você precisar pedir. As berinjelas à milanesa eram de passar no cabelos de tão boas. Outra coisa que gostei muito, mas esqueci de tirar foto do prato antes de começar a comer, foi a couve-flor cozida, bem molinha. Adoro temperar e comer quentinha. Entendem quando eu digo comer bem lá no início do post? Comer comida que parece a nossa de casa, que você sabe que não vai te levar pro posto de saúde, e que vai te alimentar bem e fazer você subir uma trilha de seis horas depois. Brincadeira, eu não subi uma trilha depois, eu estava mais pra tirar um cochilo após um almoço desses. Mas vocês entenderam o espírito da coisa. Fora que, na noite anterior, o Flamengo tinha ganhado o campeonato carioca, então era todo mundo celebrando, motorista de bus buzinando pro caixa do restaurante, pedestre tirando onda ao passar na frente. É comer queném local, gente. Sem contar que a famosa mureta da Urca está logo ali em frente, com o solzinho batendo, um abraço! Ou melhor, aquele abraço!

Reparem na foto abaixo os preços das cervejas, a quem interessar possa, no período de baixa temporada.

Deixei as beringelas pro final porque só de olhar dava pra ver que estavam uma delícia. Sequinhas e crocantes.

*** ***

ARCO IRIS DA LAPA

  • Boteco antigo e acolhedor.
  • Buffet a quilo – R$ 14,00 e R$ 17,00 os pratos.
  • Avenida Mem de Sá, 72, Lapa.

Boteco dos anos 60 de estilo pra lá de simples, ou seja, nos deixa muito à vontade. E fica na Mem de Sá, avenida que estava logo ali, ao final do nosso passeio pela Feira do Rio Antigo, que acontece na Rua do Lavradio – uma das atrações que eu queria muito vivenciar. Foi perfeito. Acordamos cedo para ir à feira, ao final dela descobrimos este buffet e, na sequência, fomos ver os Arcos, o Circo Voador e a Escadaria Selarón (e antes de tudo, vimos a Catedral), tudo a pé. Há muitos barzinhos e restaurantes charmosos, com decoração moderninha e descolada ao longo da Lavradio e na própria Mem de Sá, mas era justamente algo como o Arco Iris que a gente procurava. Os pratos, pesados, deram R$ 14,00 e R$ 17,00. E ficamos muito bem alimentados, com arroz, feijão, opções de carnes e saladas.

*** ***

 

BIBI SUCOS (filial Santa Clara)

  • Lanchonete (ou lancheria, gaúchos) especializada em sucos naturais.
  • Sucos a partir de R$ 7,00.
  • Rua Santa Clara, esquina com Rua Domingos Ferreira, Copacabana.

As famosas casas de suco são numerosas no Rio. Há uma em cada esquina de Copacabana. A Bibi Sucos oferece combinações de frutas e ingredientes que a gente nunca iria pensar, e ficam ótimas. É aquela bomba de energia perfeita pra começar a boa maratona turística. E dá uma olhada nas cores! #semfiltro

Aqui embaixo eu coloquei um trecho do cardápio pra vocês verem as combinações. Pedimos o Suco verde (R$ 9,60) e o Superforte (R$ 7,30). Deliciosos. A torradinha foi só pra fazer cócega no estômago. Há outras opções mais reforçadas no cardápio, além da porção de claras de ovos (adoro essa simbologia toda da vida saudável que fica te rondando o tempo todo no Rio).

Da esquerda para a direita: vista da esquina, parte do cardápio com as misturas dos sucos e decoração da lanchonete com textura de banana em madeira na parede.

CERVANTES

  • Restaurante famoso pelos sanduíches com fatia de abacaxi.
  • Sanduíches em torno de R$ 25,00 e limonada suíça a R$ 12,00 a jarra.
  • Av. Prado Júnior, 335 (quase esquina com a R. Barata Ribeiro), Copacabana.

Também em Copacabana, uma opção de jantar maravilhoso são os sanduíches do Cervantes. Todos os sabores incluem 1 fatia de abacaxi. Fica uma delícia. Eu pedi o de rosbife e era muito gostoso. A fatia de queijo é muito grossa (tenho foto para provar), e a de abacaxi fornece aquela suculência. Só experimentando, gente, pra vocês entenderem o que é isso. Não aconselho o de pernil porque é muito seco. Pedimos uma limonada suíça. Ótima. Vem numa jarrinha e serve 3 copos. Dizem que o Cervantes não fecha nunca, tanto é que o pessoal passa lá depois da balada pra forrar o estômago.

Na foto acima (que não ficou muito boa), de cima para baixo no sanduíche: pão fino e levinho (o que adorei, afinal, quem quer se entupir de pão?), abacaxi, queijo, e várias camadas de fatias de rosbife.

Então, minha gente, estas foram as indicações pra se comer bem, sem gastar fortunas, em alguns dos lugares turísticos do Rio – com informações de maio deste ano, 2017. Espero que possam ajudar vocês de alguma forma.

E se você tem alguma outra indicação valiosa para a sobrevivência dos turistas, não deixe de comentar. Compartilhe com a gente!

Fotos: Juciéli Botton para Casa Baunilha

Uma ideia sobre “Onde comer no Rio: comida honesta, preço justo, pra turista

  1. Pingback: Feira do Rio Antigo ou Feira do Lavradio - Um desejo realizado - Casa BaunilhaCasa Baunilha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *