Alguma coisa acontece com as luminárias dos bares do Rio

Foto de Shoptime

 

Uma pesquisa realizada por mim com aproximadamente 20 estabelecimentos concluiu que 99,9% dos bares do Rio de Janeiro são iluminados com as cúpulas chamadas “escadinha”.

A minha pesquisa falhou em não fotografar os participantes da amostra, o que já está na minha lista para uma próxima ida ao Rio.

Tá, pra não dizer que não tirei uma foto sequer, aqui tem uma de um restaurante na Lapa, em que as cúpulas escadinha são usadas de acordo com a decoração do ambiente. O restaurante tem esse estilo destroyed e vejam acima do bar a grande placa de textura enferrujada. Essa mesma textura se repete nos acabamentos dos pendentes das luminárias. O teto arrebatou meu coração com a madeira reutilizada, de réguas desencontradas e respeitando a cor antiga.  Continuar lendo

DIY: Transforme um souvenir em quadro para decorar a casa com boas lembranças

Há várias maneiras de colocar aquela importante relíquia de um momento especial, que você guarda com todo amor e carinho, exposta como uma obra de arte na sua parede. Pode ser o primeiro desenho do seu filho, uma flor que você ganhou de alguém especial e que deixou secar no meio de um livro (alguém ainda faz isso? é uma técnica ótima e daria um belo quadro!), um tecido, como um lenço comprado naquela sua viagem inesquecível. Enfim, há tantos souvenirs que podem virar uma peça única em uma instalação artística particular: a nossa casa. No meu caso, eu transformei um souvenir de viagem em quadro. Não queria o meu achado guardado em uma caixa. Ele deveria estar sempre com a gente, no dia a dia, no viver dentro de casa. É tão bom olhar diretamente para pedacinhos “vivos” dos bons momentos que nós passamos. E é exatamente isso que esta memorabilia representa pra mim.

Eu encontrei este pesinho de pesca na areia da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro. A viagem pra lá significou muito pra mim e para o meu marido. E fui encontrar justo nesta praia que fica no bairro da Urca, pelo qual eu já era apaixonada antes mesmo de conhecer pessoalmente. Quando chegamos lá havia somente um casal, com seu guarda-sol e seu cachorro, tomando chimarrão (o casal, não o cachorro) e aproveitando a praia quase exclusiva. Então nós ficamos contemplando Continuar lendo

Nozes de cima a baixo na Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana

Eis o post que eu falei que existiria um dia. Lembram que eu disse que indicaria um doce pra saborear na Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana?

Então, era pouco antes da hora do almoço e nós ainda visitando o forte. Passando pela Confeitaria Colombo que fica ali mesmo, pensei: como ir embora sem comer um docinho?

Escolhi esta muralha de nozes, na verdade, Tartelette de Nozes. Digo muralha porque era tanta noz que eu fiquei alimentada até o dia seguinte. Fui almoçar depois sem a menor fome. Na foto do doce cortado vocês vão entender. Pra quem é fã de noz, é um prato cheio, bem cheio mesmo. Pedimos também a cheesecake com goiabada. Boa, mas nada extraordinária. A estrela desse post é a Tartelette de Nozes.

Mas Juci, porque tanto auê por causa de um doce? Meus amigos, se tem uma coisa certa nesta vida é que os doces sempre nos logram. Sempre vem mais massa que recheio, sempre vem mais creminho de maiseninha que os pedaços das coisas que dão nome ao doce, sempre vem mais gelatina Continuar lendo

Quando tomar chá faz bem pra decoração

Quando li esta frase do Goethe pensei que ela tinha tudo a ver com o momento de começar o dia. Sabe, como um lembrete de que a gente pode tentar fazer aquele novo dia ser agradável. E tudo a ver, também, com a hora de dormir, aquele momento em que não reviver as emoções – perrengues – do dia é um verdadeiro desafio, e pensar em coisas boas e desacelerar parece apenas um sonho distante.

Dessa forma, decidi que a frase deveria ficar no meu criado mudo. Então peguei a tesoura, cortei a tag do barbante do saquinho de chá e coloquei a frase em um mini porta-retrato que eu tinha. Não entendeu a relação do chá com a frase? É que ela estava impressa na tag do saquinho de chá. E foi a partir daí que eu comecei a colecionar esses cartõezinhos, com frases de inspiração e também ilustrações fofas. E de coleção ela passou para decoração. Espalhei os cartõezinhos por alguns cantos da casa, como o bar de chá e as mesinhas de cabeceira.

Ali, no porta-retrato, a frase do Goethe que estava na primeira tag que veio até mim – destino? acaso? – e que despertou a vontade de colecionar estas pequenices.  Continuar lendo

Art Nouveau e belas paisagens ou sobre como vivia o povo do Forte de Copacabana

Nunca que eu ia imaginar que conhecer o Forte de Copacabana significaria a retomada dos meus conhecimentos de design em relação a detalhes tão delicados de decoração. E, na verdade, não achei que o conheceria na minha primeira viagem ao Rio pois ele não estava na minha lista. Deixamos o último dia para caminharmos pelas ruas e praias e fazer o que quiséssemos na hora. Era quarta-feira, estava tão tranquilo próximo ao forte que resolvemos conhecer. Adoro esses programas espontâneos que, no final, se mostram um verdadeiro acerto.

Vem comigo nesse passeio cheio de antiguidades, resquícios de movimentos artísticos mundiais e referências de decoração.  Continuar lendo

O décor histórico da Biblioteca Pública de Porto Alegre

Era novembro de 2013. Como uma apaixonada por decoração – e por artes gráficas e coisas impressas – compro a revista Casa Vogue e não acredito no que vejo. A Biblioteca Pública de Porto Alegre estampada na capa e em fartas páginas internas. Eu ainda não conhecia e tive de esperar longos 8 anos de reforma pra isso, ou seja, morria de curiosidade pra saber como era esse prédio emblemático. Então, nesse meio tempo, tive de me contentar com o ensaio editorial de produtos de mobiliário com a biblioteca como cenário. Só que a revista tinha aplicado um filtro verde nas fotos, escurecendo os espaços, e isso só me deixou mais curiosa. Quando ela finalmente reabriu… imaginem eu entrando com um olhar de oh my god! E eu tentava disfarçar, afinal, tinha gente trabalhando lá todos os dias, acostumada a toda aquela beleza. Iam achar que eu tinha vindo de alguma realidade paralela. Não, eu não tinha nem uma câmera em mãos pra fingir que era turista.

A tinta descascada na parede revelando desenhos espetaculares por debaixo é de assustar. Mesmo quem não sabe da história percebe que aquela tinta não representa boa coisa. Quis entender mais sobre o prédio, a tinta, os desenhos e tudo o mais que pudesse absorver. O que eu fiz? Fiz o que se faz em uma biblioteca. Peguei dois livros sobre a história do prédio, sentei junto Continuar lendo

Alles Antiquário em Morro Reuter | RS

Uma das coisas que eu adoro na serra gaúcha são os antiquários de beira de estrada. Não tem emoção que se iguale a de estar passando e, de repente, ver surgir um antiquário – pelo menos pra quem adora velharia e decoração como eu.

Só que mais interessante do que os móveis e os objetos em si é a composição deles no espaço, em como eles estão arranjados em conjunto. O que é um prato cheio pra quem adora fotografar.

O último antiquário que encontrei foi o Alles, que fica em Morro Reuter. E pelo que vi Continuar lendo

5 maneiras de organizar um jardim no seu pequeno apê

A gente já sabe que não é porque moramos em espaços reduzidos que não podemos ter nosso próprio jardim. Dá sim pra transformar um canto no nosso pequeno lar em um jardim particular. Não só dá, como há várias maneiras de organizar isso. Escolha a sua preferida, ou inspire-se para criar a sua própria.

COLEÇÃO APAIXONANTE

Foto: trib.al

Se você tem paixão pelos pequenos exemplares da natureza, como as suculentas ou os pequenos cactos, pode dedicar um móvel a eles. Pode ser uma prateleira, um aparador, o que você tiver e o que seu espaço permitir. O que importa é deixar as plantas todas juntas e visíveis. A ideia não é fazer volume, mas expor a singularidade de cada uma. Continuar lendo

Desapegando da coleção de mini bebidas que não era minha

Definitivamente, estou focada em reduzir o número de coisas dentro da minha casa, porque penso que o foco é outro na vida, são os momentos, as pessoas, as experiências – claro que ainda posso ter os itens úteis e preferidos por perto. Por isso, então, a quantidade de posts sobre desapego e organização que estão povoando este blog.

desapego-casa-baunilha1

Um dos meus últimos desapegos foi a coleção de mini garrafinhas que era do meu pai. Pois é, não era nem minha. Me afeiçoei a ela porque era dele. Mas tento entender, durante esse processo de desapego, que outros motivos nebulosos faziam eu permanecer com ela. Sim, porque a nossa mente não é um cristal transparente, ela é nebulosa. A gente mantêm coisas em casa simplesmente por manter, mas o que é que acontece na real?

Vou tentar elencar aqui Continuar lendo

7 sofás e suas almofadas – e por que tê-las?

É verdade, elas não são obrigatórias. No meu sofá, por exemplo, eu não tenho almofadas. Ainda. Isso porque desde que ele chegou, e já faz tempo, eu não parei pra pensar nas almofadas. Tem que ter química, não adianta. Elas precisam parecer que nasceram pra ele.

a-beautiful-mess3

E não é só uma questão estética. A adição de camadas num ambiente torna ele aconchegante. Acrescentar mais tramas e tecidos, além de cores, enriquece a experiência visual e tátil no espaço. Seu sofá pode ser o mais macio da face da Terra, mas se visualizar almofadas lindas sobre ele, é como enxergar um abraço de mãe te esperando.

E vale lembrar que vale tudo. Eu sou suspeita porque adoro frequentar lojas de tecido, mas dá pra escolher as próprias estampas e, se você não costura, mandar fazer as capas. Enchimentos nós podemos encontrar Continuar lendo