Porto Alegre náutica: o passeio de Catamarã e a orla de Guaíba | Parte 2

Esta é a continuação do post anterior sobre o passeio no barco catamarã, de Porto Alegre a Guaíba – se você não viu o primeiro, pode ler clicando aqui. Uma experiência que me surpreendeu porque eu ainda não tinha feito o passeio e não fazia ideia que havia um programa tão legal e diferente para os finais de semana. Se eu não tivesse achado meio caro, juro que faria com mais frequência. Mas pra quem não conhece e busca um entretenimento diferente no fim de semana, é um programa perfeito pra uma roda de chimarrão num final de tarde.

Após a parada no terminal do Barra Shopping em Porto Alegre, finalmente chegamos em Guaíba, bem na hora em que estava saindo o ônibus-turismo da cidade e ficamos bem empolgados em fazer o passeio. Mas resolvemos deixar pra próxima porque já era tarde e queríamos conhecer a orla antes de qualquer coisa. Mas com certeza deve ser bem interessante. Eu tenho curiosidade em conhecer Continuar lendo

Porto Alegre náutica: o passeio de Catamarã e a orla de Guaíba | Parte 1

A história da Casa Baunilha lembra aquelas bonecas russas, que você descobre uma menor na medida em que abre a maior. Só que no sentido inverso, do universo micro para o macro. Eu criei o blog pra compartilhar ideias de decoração. Quando entendi que decorar era uma ação autobiográfica os assuntos ampliaram para o morar e o viver. E há algum tempo expandiram para a cidade, a casa maior onde reside a nossa própria casa, o nosso morar e o nosso viver.

Confesso que nunca me entusiasmei tanto com o evento “aniversário de Porto Alegre” quanto agora, acho que justamente por essa busca em entender, afinal, quem ela é. E desconfio também de algo disfarçado no subconsciente, uma necessidade de exercer o livre arbítrio diante do momento atual da capital que sofre com a falta de segurança.

Dentre as várias atividades promovidas e lembradas pela semana do aniversário da cidade, finalmente realizei uma das que eu sempre quis  Continuar lendo

Porto Alegre: vida e obras

Porto Alegre está de níver! No próximo domingo, dia 26 de março, ela completa 245 aninhos. Uma guriazinha. Uma guria que já viu de um tudo, passando por todas as transformações possíveis de um centro urbano. Algumas “uau” e outras nem tanto. Quem me contou tudo isso e mais um pouco foi o Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo, da rua João Alfredo na Cidade Baixa. Achei que a melhor forma de celebrar a vida na cidade era conhecendo um pouco mais da vida da cidade, de onde veio, pra onde vai, do que se alimenta. Mas mais do que saber sobre Porto Alegre, eu refleti sobre as transformações que o ser humano provoca em qualquer esfera, como nos comportamentos, nas casas, na política, em tudo.

Indico a visita guiada pois oferece mais informações, além de questionamentos sobre urbanização. Muito, muito legal. Quer dizer, tri legal.

Então se preparem, porque eu me esmerei no presente. Vem textão pela frente, afinal, tem que estar à altura da aniversariante, não é mesmo?

Quando fiquei sabendo que o Arroio Dilúvio passava em frente ao museu, Continuar lendo

Mandacaru quando fulora na seca

Não dá pra não lembrar de O Xote das Meninas, consagrada música do mestre Luiz Gonzaga, quando vejo um cacto florido num período de calorão e seca na serra gaúcha.

Este é o post dedicado aos cactos que encontrei pelo caminho que leva até a araucária milenar. É o terceiro post sobre esta área. Você pode ler o primeiro sobre Continuar lendo

A preocupação estética do povo da serra gaúcha

Eu prometi e hoje vou cumprir. Eis aqui o post especial feito pra compartilhar e registrar e imortalizar a beleza que encontrei no caminho que leva até a árvore milenar, aquela que mostrei no primeiro post de 2017 e que fica na Linha Imperial do município de Nova Petrópolis, na serra gaúcha – o post sobre esta árvore fabulosa você pode ver clicando aqui.

Gente, a sensação térmica era de uns quarenta graus e a estradinha de terra denunciava alguns lagartos atravessando de um lado pro outro, o que me deu um pouco de pânico. Não conseguia descer do carro pra fotografar, travada. Abria o vidro, vinha aquele bafo quente, e eu clicava dali do banco do carona mesmo. Até que Continuar lendo

Uma senhora árvore com corpinho de folhagem

O primeiro post de 2017 tem vários aspectos dignos de um primeiro post de 2017. Tem contraste, porque 2017 é um ano novo em folha, numa era ultramoderna e tão tecnológica, enquanto que o post traz justamente algo muito mais velho que muita coisa neste mundo. O post também fala de algo natural, e eu adoro retratar a natureza, e também sobre espiritualidade, força e energia.

arvore-milenar-3

arvore-milenar1Por mais que eu já estivesse no caminho de estrada de chão que levava a este monumento da história, por mais que todas as placas indicassem o que estava por vir, quando eu fiquei frente a frente com as raízes da araucária de quase mil anos e 45  metros, deu vontade de me curvar. Sério, parecia que aquilo pedia uma reverência. Pura energia. Era uma santidade, era uma autoridade. E eu tenho profundo respeito pelos mais velhos. Continuar lendo

Feira do Livro de Porto Alegre | Muito além dos livros

feira-do-livro-26Tem estandes recheados de livros? Tem, sim sinhô. E extensa programação também. Mas nós visitantes encontramos muito mais pelas ruas da Praça da Alfândega. A sexagésima segunda Feira do Livro de Porto Alegre, que encerra amanhã, é abraçada por três museus, o Margs – Museu de Arte do Rio Grande do sul, o Santander Cultural e o Memorial do RS, que abrigam não somente as exposições, mas espaços para a venda de livros e também palestras e oficinas da programação. Entre uma banca e outra, o som de uma orquestra. Em outra esquina, roda de choro. Quitutes então, não faltam. Na Rua da Praia, também conhecida como Rua dos Andradas, Mario Quintana e seu amigo Drummond se refrescam sob a sombra das árvores. Prédios de arquitetura histórica Continuar lendo

Feira do Livro de Porto Alegre | Sobre o livro ser eterno, Netflix e outras conclusões

À primeira vista, a Feira do Livro de Porto Alegre pode parecer um apelo para que não deixemos o livro morrer. Pois na sexagésima segunda edição da feira, eu me dei conta de que ela existe para que a gente mesmo não morra.

feira-do-livro-poa10

feira-do-livro-poa11A Feira do Livro é um oásis na vida de um cidadão em uma cidade como Porto Alegre. É só acompanhar o noticiário e você vai entender que estamos aterrorizados quando temos de sair de casa e, de repente, em pleno Centro Histórico da cidade, um espaço de alívio, onde o convívio é possível. A cada esquina da feira, polícia. E todos se fazem presentes: artesãos e suas criações, artistas de rua, crianças, famílias, amigos, Continuar lendo