Cozinha fresca

Esta cozinha é a cara do verão. Tem grandes aberturas que permitem boa entrada de luz. Achei perfeita a combinação do tom de azul sereno nas paredes com os detalhes em madeira, como a bancada, a mesa e as cadeiras. Uma boa opção, também em função do piso escuro, são os balcões claros.

A Casa Baunilha é totalmente a favor de peças de arte na cozinha! Seja quadro, cartaz, escultura, como este caso. O importante é enriquecer os olhos.

Projeto: Ogawa Fisher Architects

Fotos: Reprodução / Lincoln Barbour

 

Ideias da Casa Cor Rio

Procurando por exposições de decoração, encontrei ambientes interessantes e detalhes muito bacanas, para a Casa Cor Rio, não somente deste ano, mas de 2011 também.

Bacana a parede revestida em madeira, contrastando com a leveza do tom azul do sofá e da parede. À direita, um detalhe que faz toda a diferença em termos de iluminação: a abertura acima da porta. Além de charmosa, deixa a luz invadir e clarear tudo.

Simplesmente adorei o cantinho da foto da esquerda, com a luz natural se misturando a dos abajures – proposta de Marcelo Jardim e Tiago Freire. À direita, pequena biblioteca acima da geladeira, e parede com textura de pedra ao fundo.

E o que dizer desta cozinha com atmosfera de pub? É praticamente um acervo de estilos e texturas. A cozinha se transforma no novo estar da casa – na verdade, há muito as cozinhas são as grandes estrelas de uma casa, afinal, toda reunião acontece em função das refeições. Dessa forma, a cozinha é o terreno sagrado onde tudo acontece e onde as pessoas querem estar. Isso explica o boom de cozinhas integradas com a sala. O cozinheiro, que antes ficava isolado, vira o centro das atenções. Ambiente de Guilherme Osborne e Andrea Duarte, para a Casa Cor Rio 2012. Clique para ampliar!

Com tijolos à mostra, podemos tudo: estantes brancas, portas de metal, tubulação aparente e quadro colorido. Textura curinga!

Muuuitas janelas, e em duas versões.

Vamos garimpando ideias.

Fotos: Reprodução

Refúgio além do rio

Atravessando o Rio Guaíba, em Porto Alegre, encontra-se uma casa fresquinha, mas aconchegante, com café ao ar livre. Paredes brancas, piso de cimento queimado, madeira nos móveis e detalhes, além de grandes aberturas, para a contemplação da paisagem verde que contorna a casa. Passe livre para a luz natural.

Cozinha e sala integradas. No detalhe, poltrona Favela dos irmãos Campana.

Gostei da praticidade das prateleiras no quarto. Uma boa ideia para substituir o guarda-roupa em casas que ficam fechadas por longos períodos, como as de praia.

Casa projetada pelo designer de interiores Francisco Pinto.

Fotos: Reprodução / Evelyn Muller

Apê em Paris

Apartamento contemporâneo, colorido e bem iluminado.

A bagunça organizada dos objetos recheia a sala.

Cozinha com janelão, com boa entrada de luz, piso de cimento queimado, com rodapé preto. Detalhe da despensa, que não fica escondida, com potes de vidro padronizados. A placa preta de metal serve como mural.

Adooro quadros e posters na cozinha.

No quarto, o banheiro pode ser visto através da grade acima da cama.

Criação do escritório Double G.

Fotos: Reprodução

Cor, Warhol e Jobs

Eu ia começar dizendo que este conjunto da obra é especial, só que, na verdade, todos são, pois tratam de espaços bacanas, que dá vontade de ter, e por isso são destacados por esta categoria aqui na Casa.

Mas este é sim. Pela combinação de cores dos objetos, móveis e plantas somada ao prata reluzente exibido pelo sofá. E, por fim, mas não menos importante, que é o que mais me prende a atenção, os quadros com os retratos de Andy Warhol e Steve Jobs, ressaltando o sucesso artístico e comercial de ambos. Amei. A cor e o tipo da letra aplicada sobre as fotografias fazem referência ao astral do espaço.

Nos quadros, fotografias de Norman Seeff. O espaço, criado por Lynne Scalo Design.

Foto: Reprodução / Trevor Tondro

Apê transformado

Aqui na Casa Baunilha sempre tem alguma coisa acontecendo, ideias chegando e algumas até relembradas. Isso mesmo. Há um tempo, eu li sobre este apartamento, e fiquei apaixonada pelas peças e cores que ele apresentava. Reencontrei o espaço no site da Casa Vogue, e trouxe aqui pra gente se inspirar.

Parece uma história de contos de fada, pois teve um final feliz. Descontentes com a decoração tradicional que o apartamento em Curitiba estava recebendo, os proprietários resolveram dar carta branca ao arquiteto Guilherme Torres para rever os espaços e deixar tudo mais contemporâneo. O resultado foi uma paleta de cores muito interessante, e peças com texturas e desenhos diferentes entre si, formando um conjunto único.

Vamos aos detalhes:

Nas paredes, cimento polimérico, em tons de menta e azul;

A mesinha Mush, a mesa de jantar Fifties, e o sofá Otto são criações de Guilherme Torres;

Revestimento estampado para pufe, da Marimekko;

Cadeiras brancas, para a mesa de jantar, do designer Philippe Starck;

Tapetes Diesel – adoro esta coleção com aparência de detonada.

 

Fotos: Reprodução 

Viva o novo

Oi pessoal. Como podem perceber, dei uma redecorada na Casa. Não adianta né, é da natureza do ser humano reinventar as coisas, até a si mesmo. E mudanças são tão boas!

O cabeçalho do blog está mais próximo do que eu tinha projetado mentalmente para a Casa Baunilha desde quando ela não tinha teto, não tinha nada. Mas, como ao longo da vida a gente aprende muito, uma lição que extraí – na verdade tive que forçadamente aprender a aceitar – é que, muitas vezes, temos que deixar o preciosismo e a autocrítica de lado e apenas fazer, bem ao estilo Nike, Just Do It. Porque se não for assim, às vezes, as ideias não saem do papel, a vida não anda, as mudanças não acontecem. Apenas faça, nem que depois, ao longo do trajeto, você dê seu toque especial, alinhe, arrume, arranje.

E confesso que, para quem trabalha de olho nos detalhes, como eu, apenas fazer não é tarefa fácil. Porém, em alguns momentos da vida, estritamente necessário. E vale a pena.

Eu quis deixar a Casa com uma cara mais brasileira, então arranjei folhas de bananeira ali pelo cantinho. Inseri também uma silhueta feminina, de traços suaves, para compor a parte de estilo. Troquei o abajur anterior por um modelo que amei de paixão quando vi, e que depois de correr atrás descobri que é da marca Robert Abbey. Tem de várias cores, preto, vermelho, inclusive tons pastéis, que eu adoro.

A base dele é o grande barato, ainda mais hoje, que as estampas e formas geométricas estão bastante presentes na decoração.

Agora, o que não sai de moda mesmo é mudar.

Na casa de praia

Oi pessoal! Queria ter postado sobre o carnaval, com ideias do que usar na folia, mas só deu mesmo para fazer as malas e sair correndo para o litoral, me desligando um pouco da “vida online” – mas a cabeça continuou a mil. Por isso, resolvi voltar do carnaval com uma boa bagagem. Visitei a Casa & Cia Praia 2012, em Tramandaí, aqui no Rio Grande do Sul, e trouxe um pouco desse passeio.

Alguns ambientes foram fotografados por inteiro. Me preocupei em trazer também detalhes, texturas, cores, enfim, aquele ponto de partida para a criação de um espaço com a nossa cara. Quem nunca idealizou mentalmente uma sala inteira só de olhar para um abajur inusitado, ou um revestimento de parede diferenciado? Isto é o melhor de criar, nossa imaginação não tem limites.

Pra começar, vou mostrar a casa que mais me chamou atenção. No primeiro piso, espaço com cozinha, estar e sala de jantar integrados. Um living amplo, com peças e cores muito bacanas, além de acabamentos interessantes.

Entrei e fui direto fotografar o vaso amarelo. Adorei. Ao fundo podemos observar a mesa, e grandes aberturas que fazem a comunicação para o jardim que rodeia a casa.

Abaixo da lareira, a parede de vidro funciona como uma janela. Quem está fora enxerga dentro, e vice-versa.

Como não amar esta mesa de madeira, com as texturas coloridas no centro? Para arrematar e contrastar com a mesa, cadeiras com design atual e cor vibrante. As luminárias pendentes estilo armazém/depósito estão em alta. Estas são coloridas por dentro.

No balcão da cozinha, revestimento colorido imitando mosaico de vários azulejos.

Ao lado da pia, ampla parede de vidro mostra um dos cantinhos decorados da área externa.

Parede com acabamento em cimento queimado ganhou mosaico de quadros com molduras diferentes.

O banheiro ficou colorido com a parede revestida do mesmo mosaico do balcão da cozinha. A luminária, também remete às da mesa da sala. O vermelho está presente por todo o primeiro piso da casa, em detalhes e móveis.

Muito interessante a textura no teto. Ao que tudo indica, são marcas deixadas pelas placas de madeira que davam suporte à construção do segundo piso. Ao serem retiradas, criou-se a textura.

Este é o ambiente visto pela cozinha. Móvel antigo, de madeira, acomoda a “horta” de temperinhos. Vasos grandes reúnem temperos de vários tipos.

Este guarda-roupa colorido fica no quarto do primeiro piso. Boa ideia para repaginar aquele armário antigo. Nas portas, podem ser aplicados tecidos, adesivos, papel de parede… O quarto ainda recebeu, na área externa, um espaço especial, com deck de madeira.

Subindo para o segundo piso, escada bem iluminada e amplo horizonte, proporcionados pela grande coluna de vidro.

Este quarto amplo tem espaço com poltrona e mesinha, e guarda roupa branco, com vidro em cima e textura embaixo. Adorei.

Um pequeno detalhe, ensolarado, do amplo terraço da casa.

Este quarto arrancava suspiros da mulherada. A cada pessoa que entrava, ouvia-se “Óh, que lindo”, “Ai, que amor!”. E era um amor mesmo. Teve gente que achou que era da Carrie Bradshaw.

Amei este móvel. Tanto o desenho, com os pés-palito, quanto as cores: algumas partes preservadas com a cor original da madeira, e outras cobertas com branco. Perfeito.

No banheiro do quarto, a pia tem caimento diferenciado.

Esta foi uma das cinco casas presentes na mostra. Na sequência dos posts, mostrarei mais ambientes e detalhes.

Quero dedicar este post, e agradecer, aos meus avós Ignez e Gentile Botton, que fizeram questão de levar os netos à exposição. Sempre atenciosos e ótimas companhias. Muito obrigada!

Fotos: Casa Baunilha

O novo branco

Gentem, esta casa pode render boas ideias. É, realmente, inspiradora. Com muito branco, traz alguns toques pontuais de cores vivas. Refrescante e relaxante.

A cozinha sem nada de utensílios à mostra, apenas as laranjas decoram. E essa é uma ótima ideia, decorar com frutas. O sofá naquele tom de cinza que vai com tudo, e apenas 1 almofada fazendo link com o tapete verde.

Outra boa ideia é a do quadro negro. Podemos variar as mensagens, os desenhos, escrever listas, e decorar! Com ambientes em que predominam os tons claros, é permitido uma parede escura, pois aquece, deixa aconchegante, harmoniza e chama a atenção para um ponto específico. Na entrada, uma coluna amarela com grafismos em preto.

Adoro essas conexões entre ambientes com a parte superior em forma de arco. Tudo lindo nesta foto, os tons, as texturas, a limpeza do ambiente – no sentido dos espaços, poucos objetos, mais áreas livres.

Dá pra notar uma coerência na casa toda né. Ambientes claros, bem iluminados, com alguns pontos de cor.

É, realmente, uma casa inspiradora. E essa inspiração toda eu encontrei na revista Est, que aborda decoração, design, moda e tem até receitas. Ela é australiana e está na sua quarta edição. Mais uma para nos deliciarmos com belas imagens e ótimas ideias para a nossa casa.

Confira sobre os arquitetos responsáveis aqui.

Fotos: Est Magazine

Ele mora na fábrica

Um belo dia, o arquiteto espanhol Ricardo Bofill encontra, em Barcelona, uma antiga fábrica de cimento em ruínas. Depois de 3 anos remodelando e ajeitando, mais precisamente em 1975, ele se muda para o prédio de 3 mil metros quadrados, sua casa/estúdio.

Esta é a verdadeira transformação. Incrível o que o verde das plantas e dos gramados pode fazer pelo espaço. Deixa tudo mais aconchegante, mais habitável.

Fotos: Reprodução 
Fontes: arq4design.com e ricardobofill.com