O quarto sob um olhar diferente

Diferente este quarto, não? Começando pela cama, tábuas irregulares de madeira de demolição cujo acabamento lembra pátina. Outra coisa de que gostei foi o tom de azul da parede lateral. Combinado com o branco da parede maior, o piso claro e a roupa de cama alva, oferece paz e tranquilidade.

Foto: Reprodução / Trevor Tondro

Nossas coisas, nossa vida

Ambientes de estilo minimalista são bacanas, visualmente falando, em função da organização do espaço, da luminosidade, além de práticos para a circulação e a limpeza.

Mas tem vezes que dá vontade de mandar esse mínimo pro espaço, ou melhor, fora do nosso espaço, e adotar o tudo-junto-reunido-decor, ou seja, exibir todos os nossos objetos queridos, que guardamos e colecionamos com tanto carinho, e expor de maneira que passemos mais tempo junto deles e que, assim, nossa casa pareça contar uma história, viva, aparente e marcante.

Ambientes de cores fortes e escuras, exibindo veludo, couro, em meia luz. Uma atmosfera dramática e intimista. Lindos.

Porém, acho que sou mais fã do estilo mínimo +1, ou seja, ambientes organizados visualmente, iluminados, mas que contenham alguns elementos a mais, para ficarem mais aconchegantes e com personalidade. Em uma casa ou apartamento, acho interessante mesclar ambientes. Por exemplo: no escritório, sala da TV ou biblioteca, fica interessante reunir prateleiras recheadas de livros, objetos pessoais, quadros, plantas… criando um espaço que inspire. Porém, para ambientes como o quarto, que precisam ser mais organizados para que possamos descansar a mente, menos é mais.

Ser ou não ser?

Fotos: Reprodução / Graham Atkins-Hughes